Metrologia Dimensional

OBJETIVOS

No final da ação os formandos deverão ser capazes de: 

1. Identificar, selecionar e aplicar os instrumentos de medição mais adequados à determinação e controlo dimensional e geométrico;

1. Efetuar cálculos para correção de erros sistemáticos;

2. Interpretar uma cota toleranciada e definir os respetivos limites.

DESTINATÁRIOS

Responsáveis técnicos de laboratórios de ensaio e de calibrações; Técnicos da Qualidade, particularmente os que têm funções em gestão de equipamento de medição, Técnicos industriais com manuseamento de instrumentação metrológica.

PROGRAMA

A Metrologia

- Considerações gerais

- Definição e evolução

O Sistema Português da Qualidade

- Considerações gerais

- O Subsistema da Normalização

- O Subsistema da Metrologia

Organização e Gestão da Metrologia

- Organizações nacionais e internacionais de metrologia

- As categorias da metrologia

- A metrologia dimensional na indústria

- O referencial normativo ISO EN NP 10012 - Measurement Management Systems - Requirements for Measurement Processes and Measuring Equipment

O Vocabulário Internacional de Metrologia

- Grandezas e unidades do sistema internacional

- Terminologia

- Métodos e medições

- Os erros em metrologia: definição, origem e despiste

Toleranciamento dimensional e geométrico (GDT)

- Considerações gerais

- O referencial normativo ISO 1101 - Geometrical product specifications (GPS) - Geometrical tolerancing, Tolerances of form, orientation, location and run-out

- Conceitos, definições e simbologia

- As tolerâncias de forma: rectitude, planeza, circularidade, cilindricidade, perfil de linha e forma de superfície

- As tolerâncias de orientação: paralelismo, perpendicularidade e angularidade

- As tolerâncias de posição: localização, concentricidade, coaxilidade e simetria

- As tolerâncias de batimento: circular e total

- Casos práticos

Instrumentos de medição

- Tipo de equipamentos utilizados em metrologia dimensional (Bloco Padrão, Paquímetro, Micrómetro, Suta, Régua de Senos, Régua de Bisel, Máquina de Medição por Coordenadas)

- Principais características dos instrumentos de medição

- Boas práticas de utilização

- Principais referenciais normativos

- Casos práticos

Introdução prática ao cálculo de incertezas

- O guia para a expressão da incerteza EA-4/02

- Casos práticos

Certificados de Calibração

- Análise de certificados de calibração

Nota: No decurso da ação será realizada uma visita aos laboratórios.

 

ORGANIZAÇÃO DA FORMAÇÃO

Formação Presencial

METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO

Avaliação contínua, através de indicadores como participação, interesse demonstrado, capacidade de aprendizagem. Provas e/ou trabalhos propostos pelo formador e realizados no decorrer da formação.

DATAS DA FORMAÇÃO

20, 22 e 24 de novembro de 2017 | Porto

CARGA HORÁRIA | HORÁRIO | LOCAL

21 Horas | Das 09:30 às 17:30

PREÇO

Sócio CATIM – 256€ |Sócio AIMMAP – 288€ | Não sócio 320€

Formação Isenta de IVA

Duração/Local: 
21 Horas | Porto
Horário: 
Laboral
Data: 
Segunda, 20 Novembro, 2017 até Sexta, 24 Novembro, 2017

Missão

O CATIM, centro de apoio tecnológico à indústria metalomecânica é uma instituição privada de utilidade pública sem fins lucrativos, que resultou da associação de interesses, de empresas industriais e respectivas associações com organismos públicos.

Foi criado no âmbito do Decreto-Lei n.º 249/86 de 25 de Agosto, com as alterações que lhe foram introduzidas pelo D.L. 312/95 de 29 de Novembro e registado como Instituição de Utilidade Pública, conforme publicação no Diário da República n.º 15, II série de 87-01-19, na Conservatória do Registo Comercial do Porto, Matricula N.º 2, detentor do número de contribuinte n.º 501 630 473.

 A sua Missão é a de contribuir para a inovação e competitividade das indústrias nacionais da metalomecânica e sectores afins ou complementares.

 

 

Serviços

da indústria para a indústria

Catim